Pages

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Importância do professor de Educação Física na academia

Nos dias atuais, todos que trabalham diariamente com programas de exercícios físicos sabem da rotatividade de alunos que a academia sofre. Embora não exista um estudo fiel a maioria convive com uma rotatividade muito grande. Em alguns casos apenas 30% dos matriculados passam de três meses e 20% completam um ano ou mais. Alguns não chegam a terminar o primeiro mês. Em quase todas as academias, a lista de ex-alunos é muito superior a de freqüentadores assíduos. A que se deve isso? Inúmeros podem ser os fatores, desde problemas financeiros, perda de trabalho, acidentes, doença, mudança de endereço, desmotivação, descontentamento e a falta de entrosamento com o professor de Educação Física, uma das peças importantes num programa de qualidade em academia.

É possível construir uma empatia entre aluno e profissional de Educação Física? Claro, depende muito do profissional que não é apenas aquele cheio de títulos na parede, mas reúne experiência, capacidade de liderança e principalmente sensibilidade para lidar com as diferentes situações com seus alunos e com isso mantê-los motivados na academia. São muitas as qualidades exigidas, entretanto considero que aqueles que reunirem pelo menos a maioria das doze abaixo poderão crescer na profissão.

1) Motivação: Se escolheu a profissão certa estará sempre de bem com a vida passando isso para todos. Profissional motivado não perde o aluno de vista. Está sempre procurando saber se ele precisa de ajuda e como anda a busca dos objetivos pessoais. Ao aluno desanimado cabe o elogio certo e sutil. É preciso “tato” para fazer isso.


2) Atenção: Significa estar atento a tudo e a todos na sala de aula. Alguns alunos são mais tímidos e o profissional deve ter sabedoria para perceber quando um deles precisa de ajuda e tem vergonha de perguntar. A pior situação é vermos profissionais dando atenção apenas a alguns alunos. Todos estão pagando pelo serviço oferecido pela academia e o profissional é empregado dela.

3) Estímulo: Algumas pessoas são naturalmente menos perseverante do que outras. Mais uma vez é preciso “tato” do profissional para dar uma injeção de ânimo no aluno, seja modificando o programa e/ou fazendo um planejamento estratégico de comprometimento com ele mesmo.

4) Exemplo: Já dizia minha avó e a de vocês também: “O exemplo vem de cima”. O profissional não precisa ser um atleta, mas deve se comportar adequadamente à carreira tanto na frente do aluno como longe dele, estudar constantemente, se manter atualizado, tudo isso é importante e necessário para ser um bom profissional.

5) Compreensão: Nem todo dia o aluno está a fim de “malhar” forte. O profissional precisa ser bastante esperto para perceber isso. Um bom “papo” ou apenas saber ouvir pode resolver, assim como um alongamento passivo e/ou alguns toques de massagem. O profissional deve sempre fazer cursos que agreguem valor ao seu trabalho.

6) Paciência: Toda profissão exige essa qualidade. Nem todo aluno sabe mexer naquelas máquinas de musculação. Nem todos “pegam de cara” uma coreografia de step. Nem todos gostam de água. Nem todos gostam de academia e só se matricularam por recomendação médica. Tem aluno que pergunta a mesma coisa todo dia. Paciência. São “ossos do ofício”. Basta responder de má vontade para ele ir embora e nunca mais voltar.

7) Dedicação: Só vence em qualquer profissão quem se dedica. A de Educação Física lida com o público e dele depende para sobreviver. Todos nós temos problemas, mas na hora do atendimento o aluno não pode saber e ele está ali para resolver o dele e da melhor forma possível. Lógico que fica difícil de fugir dos problemas, e quem não os tem, mas temos que contornar isso na hora do trabalho, pois o aluno não deve sofrer com nossas dificuldades.

8) Orientação: A execução correta dos exercícios deve ser uma constante. O novato pelos motivos óbvios. O veterano pela tendência a relaxar que é próprio de qualquer cidadão. Logo, o bom profissional nunca descansa.

9) Amizade: Qualquer trabalho flui melhor quando existe confiança mútua desenvolvida através da amizade. Claro, nem todo aluno é bem humorado e o relacionamento é muito difícil, mas faz parte do ofício tentar conquistá-lo.

10) Resultados: É isso que o aluno busca. Se não conseguiu de uma forma tente de outra. São inúmeras as opções no campo da saúde. O profissional limitado perde cliente e campo na profissão. Porque alguns vencem e outros não?

11) Respeito: É o princípio de tudo e educação vem de berço. Respeitar para ser respeitado antes de reclamar da profissão.

12) Atendimento: Atender bem as pessoas é uma obrigação, mas quem faz isso por prazer cresce na profissão e vive muito mais feliz. Felicidade contagia. Experimente!

A profissão de Educação Física exige uma responsabilidade grande porque cuida de pessoas. Competência gera respeito.

Post publicado em http://www.copacabanarunners.net/professor.html


0 comentários: