Pular para o conteúdo principal

Jump Fit x Power Jump

Sou professor capacitado do Jump Fit desde 2003. Acompanhei durante esses 07 anos todas as transformações e melhorias que foram necessárias para manter o sucesso da modalidade. Nesse meio tempo, outros programas similares também foram criados provocando uma concorrência nesse segmento no mercado do fitness.

Há poucos dias um colega de profissão me convidou para fazer uma aula de Power Jump da empresa Body Systems. Já tinha ouvido falar do programa, mas nunca havia participado de uma aula. Meu contato com o Jump sempre foi com a Fit-Pró, pioneira no Brasil com esse tipo de modalidade.

Basicamente a estrutura das aulas são similares. A diferença está na forma como é realizado o aquecimento, nas pausas entre coreografias e na duração de algumas músicas. Não tive acesso ao material didático da Body Systems, porém conversei com o professor e as considerações feitas pelo mesmo me permitem fazer as minhas a respeito dos programas.

Nas aulas de Jump Fit existe uma música inteira dedicada ao aquecimento, onde são realizados alongamentos e deslocamentos feitos no chão, priorizando a parte inferior do corpo em função da grande solicitação sobre essa região. No Power Jump o aquecimento é realizado no solo e no mini-trampolim. São utilizadas duas músicas sem intervalo. Os principais objetivos fisiológicos do aquecimento são: obter um aumento da temperatura corporal, da temperatura da musculatura e preparação do sistema cardiovascular e pulmonar para a atividade. Pesquisei a respeito e não encontrei respostas que me fizessem concluir qual dos métodos é mais eficiente.

Outra diferença é quanto à duração das pausas. A aula de Jump Fit é estruturada com pausas de 30 e 90 segundos. No intervalo maior são realizados alongamentos em cima do mini-trampolim, com o intuito de promover uma pequena recuperação durante a aula e principalmente relaxar flexores de quadril, flexores do pé e quadrado lombar que são constantemente solicitados durante a aula. No Power Jump as pausas são de no máximo 30 segundos.

Em relação à duração das músicas, nas aulas de Jump Fit as coreografias têm no máximo 6 minutos, algumas músicas do Power Jump ultrapassam 8 minutos. É importante ressaltar que a intensidade da aula não se justifica pelo tempo total (uma parcela dos alunos se afastam das aulas justamente por não conseguir “agüentar o pique” até o final da aula) e sim pelo tempo correto de treinamento. Melhor do que coreografias que extenuam é preciso dosar um trabalho onde o mais importante é a força aplicada ao empurrar a lona. Se o aluno concentrar-se nesse aspecto os resultados serão obtidos.

Um dos fatores importantes é a escolha das músicas. Nesse aspecto posso afirmar que ambas são extremamente motivantes. Uma leve vantagem na música do último cárdio do Power Jump, músicas eletrônicas com batidas intensas que motivam quem faz.

Algumas pessoas podem acreditar que esse post foi criado somente para divulgar o programa no qual sou capacitado (Jump Fit), porém o meu intuito foi apenas pontuar as principais diferenças e deixar que cada um tire suas próprias conclusões.

Independente da escolha que você faça o importante é que praticando aulas de Jump haverá uma melhoria da resistência cardiovascular, da circulação sanguínea e linfática, além de diminuir a gordura corporal e a celulite.

Portanto não perca tempo, procure uma academia credenciada no CREF e vá empurrar a lona.

Comentários

Anônimo disse…
Ops... Acho que conheço essas 3 pessoinhas na foto... Meu fessô, Rômulo e eu rsrsrs..... Faço jump há 8 anos +ou-, já ouvi falar mto sobre o Power Jump... Mas sabe, acho que todo tipo de exercício é válido tanto o Power Jump ou Jump Fit desde que seja feito com diciplina e seja divertido.... os dois têm o mesmo objetivo, o que faz mesmo a diferença é como essa aula é conduzida pelo professor e a força de vontade do praticante, o resto é só botar pra quebrar, pular forte e ver o professor colocar as molas do jump no lugar rsrsrsrsrs..... bjos Gisele
Fabiano disse…
boa gi. não coloquei a foto de rosto pq isso poderia me causar problemas do tipo "direitos de imagem" - rs...
Anônimo disse…
oi fabiano!! legal sua explicacao !!! to afim de comecar a fazer jump e vejo que as aulas sao muito legais!!! e pela sua dedicaçao deve ser um excelente professor!! abraço
Ro.
Fabiano disse…
Ro, está convidado(a) para fazer uma aula comigo. É só marcar e vir empurrar a lona.
Anônimo disse…
Amigão, muito bom esse texto.
D.B.
Xanda disse…
Eu estou fazendo JUMP e estou adorando. no começo agente para muito, por causa do cansaço. No entanto, com o passar do tempo as coisas vão melhorando e a pessoa se acostuma com o ritmo.
caios disse…
olá, sou um acadêmico de educação fisica e vou fazer meu tcc sobre a diferença das duas modalidades ou melhor das duas empresas body sistems e a fit-pró. Bom li o que vc postou e me ajudoU muito....
ABRAÇO...

MEU E-MAIL É CAIO_ROCHA_92@HOTMAIL.COM SE PUDER ADD GOSTARIA DE CONVERSAR MAIS SOBRE O ASSUNTO
Francielle disse…
Fabiano então pela aula de Power Jump exigir mais do aluno, ele será melhor condicionado do que o que faz Jump Fit?
Vih disse…
Estava precisando de mais informações sobre body jump, para um trabalho escolar e seu blog me ajudou mto!
Mto obrigado
Bjo
Kellen disse…
Olá Fabianao td bem? Estou no ultimo ano de faculdade e adoro jump pretendo fazer o curso e gostaria de tirar algumas duvidas em relação ao programa jump fit. Como somos avaliados? temos apenas um final de semana para decorar as coreografias do jump?
Fiz minha inscrição para o curso nos dias 16 e 17 de Fevereiro mas temho medo de não conseguir decorar as coreografias em um unico final de semana.
Desde ja muito obrigada

Postagens mais visitadas deste blog

Programas de qualidade na TV brasileira

A TV aberta no Brasil passa por um momento onde programa de conteúdo é cada vez mais raridade na programação. Devido ao trabalho acompanho vejo TV com mais frequência à noite e eventualmente nos finais de semana, porém prefiro acompanhar a programação dos canais fechados.
Mas como nem tudo está perdido, dou a dica de cinco programas que na minha modesta opinião vale a pena acompanhar:
1 – Profissão Repórter (Globo – 3ª feira): Uma equipe de jovens jornalistas sob o comando de Caco Barcellos, consegue levar coberturas sólidas em diferentes ângulos de uma mesma notícia. Com maestria o veterano jornalista consegue destacar o processo de profissionalização de jovens recém-formados em cada etapa da matéria, aprendendo na prática a elaborar a reportagem, desde a apuração até a edição final.

2 – A Grande Família (Globo – 5ª feira): Com um texto de primeira linha e um grupo de atores do mais alto gabarito o programa retrata de forma engraçada situações rotineiras de uma família de classe média. …

Valentin

Com pais ausentes e um ambiente familiar conturbado, Valentin é um menino imaginativo, cujo maior sonho é ser uma criança comum, com uma família de verdade. Enquanto tenta consertar as falhas em seu mundo, ele será capaz de trazer alegria, sabedoria e até mesmo romance aos adultos que o cercam.
“Valentin” é um dos filmes mais encantadores que assisti. A história nos emociona do início ao fim. Um drama inocente e cheio de esperança que ficou muito bem narrado por uma criança.
Rodrigo Noya, o protagonista, nos cativa pela sua sensibilidade e inteligência, longe de ser uma daquelas crianças prodígio chatas. O menino é um escândalo de tão bom. Valentin pode ser vesgo e usar óculos fundo de garrafa, mas enxerga perfeitamente o ponto fraco da maioria dos adultos que o cercam.
Outro ponto forte é a química entre os atores. Perfeitos dentro dos seus papéis. Destaque para Carmen Maura, como sempre brilhante em tudo que faz. Elenco nota 10.
Cinema argentino, leve, sensível e de excelente qualidade…