Pular para o conteúdo principal

Transferência Kleber, a novela do futebol mineiro continua...

Nesses últimos dias acompanhei atentamente a novela da transferência do jogador Kleber com o Futebol Clube do Porto. Primeiro por ser cruzeirense e segundo para tentar entender a que ponto chegou os valores astronômicos do futebol.


A cada ano as transações dos jogadores têm atingido patamares inimagináveis.

Mas voltando ao caso Kleber, depois de todos os detalhes acertados entre os clubes faltava apenas chegar ao acordo salarial com o jogador. E não é que para a minha surpresa esse foi o fracasso da transação?

Alguns sites esportivos publicaram quais seriam os dois motivos do negócio ter dado errado. Inicialmente o clube português queria um vínculo contratual de 3 anos contra 5 pleiteado pelo jogador. Em relação ao valor das “luvas” (importâncias pagas pelo clube aos jogadores como forma de incentivo para assinatura do contrato de trabalho, em virtude da qualidade e eficiência do próprio jogador antes mesmo de ser contratado) também não houve acordo. O atleta queria receber os 2 milhões de euro, isso mesmo, 2 milhões de euros no ato da contratação. Isso fez com que Kleber desistisse de um salário anual de 1,2 milhão de euros por ano, livres de impostos.

Agora a pergunta que não quer calar: Que ser humano em sã consciência recusaria um salário de 100 mil euros por mês?

Kleber é o tipo de jogador que mexe com as emoções dos torcedores. Falastrão, faz o que bem entende nas horas vagas (inclusive freqüentar a sede de uma torcida organizada de outra equipe), mas é um grande goleador. Sabe como poucos segurar a bola e “chamar” uma falta. Em minha opinião tem uma técnica invejável.

Porém o que me intriga nesse jogador é sua auto-estima, por sinal elevadíssima. É indiscutível a qualidade do jogador, mas também não podemos dizer que é o melhor dos atacantes em atuação no Brasil. Recusar tal proposta é no mínimo falta de bom senso. E se o Cruzeiro for mal na Libertadores? O máximo que vai conseguir será uma transferência para o Palmeiras seu time de coração, ou então algum clube do Leste Europeu, com certeza os valores serão inferiores aos de hoje.

Acredito que Kleber não imagina a distância que exista entre o seu futebol e os demais jogadores do primeiro escalão mundial. Kaká vale 15 milhões por ano, Kleber vale 1,2 milhão. Simples constatação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Jump Fit x Power Jump

Sou professor capacitado do Jump Fit desde 2003. Acompanhei durante esses 07 anos todas as transformações e melhorias que foram necessárias para manter o sucesso da modalidade. Nesse meio tempo, outros programas similares também foram criados provocando uma concorrência nesse segmento no mercado do fitness.
Há poucos dias um colega de profissão me convidou para fazer uma aula de Power Jump da empresa Body Systems. Já tinha ouvido falar do programa, mas nunca havia participado de uma aula. Meu contato com o Jump sempre foi com a Fit-Pró, pioneira no Brasil com esse tipo de modalidade.
Basicamente a estrutura das aulas são similares. A diferença está na forma como é realizado o aquecimento, nas pausas entre coreografias e na duração de algumas músicas. Não tive acesso ao material didático da Body Systems, porém conversei com o professor e as considerações feitas pelo mesmo me permitem fazer as minhas a respeito dos programas.
Nas aulas de Jump Fit existe uma música inteira dedicada ao aque…

Programas de qualidade na TV brasileira

A TV aberta no Brasil passa por um momento onde programa de conteúdo é cada vez mais raridade na programação. Devido ao trabalho acompanho vejo TV com mais frequência à noite e eventualmente nos finais de semana, porém prefiro acompanhar a programação dos canais fechados.
Mas como nem tudo está perdido, dou a dica de cinco programas que na minha modesta opinião vale a pena acompanhar:
1 – Profissão Repórter (Globo – 3ª feira): Uma equipe de jovens jornalistas sob o comando de Caco Barcellos, consegue levar coberturas sólidas em diferentes ângulos de uma mesma notícia. Com maestria o veterano jornalista consegue destacar o processo de profissionalização de jovens recém-formados em cada etapa da matéria, aprendendo na prática a elaborar a reportagem, desde a apuração até a edição final.

2 – A Grande Família (Globo – 5ª feira): Com um texto de primeira linha e um grupo de atores do mais alto gabarito o programa retrata de forma engraçada situações rotineiras de uma família de classe média. …

Valentin

Com pais ausentes e um ambiente familiar conturbado, Valentin é um menino imaginativo, cujo maior sonho é ser uma criança comum, com uma família de verdade. Enquanto tenta consertar as falhas em seu mundo, ele será capaz de trazer alegria, sabedoria e até mesmo romance aos adultos que o cercam.
“Valentin” é um dos filmes mais encantadores que assisti. A história nos emociona do início ao fim. Um drama inocente e cheio de esperança que ficou muito bem narrado por uma criança.
Rodrigo Noya, o protagonista, nos cativa pela sua sensibilidade e inteligência, longe de ser uma daquelas crianças prodígio chatas. O menino é um escândalo de tão bom. Valentin pode ser vesgo e usar óculos fundo de garrafa, mas enxerga perfeitamente o ponto fraco da maioria dos adultos que o cercam.
Outro ponto forte é a química entre os atores. Perfeitos dentro dos seus papéis. Destaque para Carmen Maura, como sempre brilhante em tudo que faz. Elenco nota 10.
Cinema argentino, leve, sensível e de excelente qualidade…