Pular para o conteúdo principal

Desafios na Educação Física Escolar

Antes da minha graduação eu já havia trabalho por 6 anos com Educação Física Escolar. Na época a profissão não era reconhecida e alguns cursos técnicos nos habilitavam a trabalhar nas escolas.

Lembro-me que durante esse período as orientadoras pedagógicas diziam que esperavam mais da Educação Física Escolar, queriam um conteúdo mais consistente, que não fosse apenas o esporte pelo esporte. Nas reuniões educacionais pouco se falava da Educação Física. Com pouca experiência e sem uma consistência em minha formação acabava não expondo minhas opiniões a cerca da disciplina. Alguns colegas de profissão também ficavam omissos nas reuniões. Comecei a perceber que uma grande parcela dos docentes eram o que chamamos de professores “rola bola”. Diversas vezes presenciei alunos jogando futebol sem nenhum contexto educacional enquanto o professor colocava o seu diário em dia. Evidente que na maioria das vezes utilizei o esporte e suas regras para fundamentar o meu trabalho, afinal era o que havia aprendido no curso técnico e considerava ser adequado naquele momento.

Ao ingressar no Ensino Superior, minha expectativa era verificar se o grau de conhecimento proporcionado especificamente pelas disciplinas dos esportes auxiliava na vida profissional dos que ingressavam no mercado de trabalho. Percebi que a cada novo semestre as metodologias dos esportes baseavam no princípio da aptidão física e aprendizagem motora (tradicionalista). Este fato me incomodava tanto que decidi realizar minha pesquisa de conclusão de curso com essa temática.

No sétimo e oitavo períodos, verificando o planejamento dos docentes, as ementas das disciplinas e seus currículos, cheguei à conclusão de que na Instituição pela qual me formei necessitava de uma reformulação urgente das disciplinas dos desportos. Com metodologias tradicionalistas e sem uma interdisciplinaridade entre os docentes, os futuros profissionais sairiam da graduação sem uma preparação consistente para as exigências da prática pedagógica na Educação Física Escolar. Mas será que devemos culpar somente a Universidade ou nós professores também temos uma parcela de culpa? Vale a reflexão.

Acredito que os espaços para aqueles que querem fazer do seu aluno um mero reprodutor de movimentos está se tornando cada vez mais escasso, mas é preciso que a sociedade e todos os profissionais da área que são comprometidos com o educar se posicionem diante dos absurdos que ainda existem nas escolas brasileiras. O professor de Educação Física Escolar deve estar ciente de suas responsabilidades, conhecer a dimensão e o alcance do seu saber.

Como cobrar dos Governos um respeito pela disciplina se os que atuam na área não se dão o respeito? “Rolar a bola” qualquer um faz, construir e reconstruir os saberes é privilégio para poucos.

Que profissional você quer ser? Pense, reflita e faça a sua escolha!

Comentários

Cabral disse…
Realmente! a educação precisa melhorar... e tdos tem q fazer esporte! é o q eu acho!
valeu fabiano! seu blog está show!!!!
O Pinto Louco disse…
Tem professores que não fazem o devido trabalho e prejudicam os que fazem, eu mesmo ja tive 2 professores de como é chamado no seu texto "rola a bola", mais tambem ja tive aqueles que queria mesmo mostrar o outro lado da educação fisica que não é so jogar futebol ou queimada!
Suh Fidellis disse…
Realmente, precisa ser mt melhorado e não só a Ed. Ficia mas em um todo as escolas públicas precisam ser melhoradas...
Pobre esponja disse…
Não se dá o valor justo a professores, e essa injustiça acentua-se mais entre os prof. de Educação Física.
Como disseste: rolar uma bola é fácil.
Como estudante de Letras, penso que até na minha Facu, tem professores que, metafóricamente, rolam a bola:
algo repugnante.
Macaco Pipi disse…
MINHA NAMORADA QUE FAZ
LÁ LEVAM BEM A SÉRIO
CorVo disse…
Obrigado pela visita no "Tudo é História". Sobre sua postagem, eu até achei engraçado, todos os meus professores de ED fisica era do tipo rola bola! E pra ser bem sincero, eu até gostava pois era viciado em futebol. Mas acho que realmente a ED fisica tem que ser mais que isso, como o próprio nome já diz, é preciso EDUCAR. Como eu mesmo coloquei em minha postagem sobre a caminhada, não tenho hábito de tomar cuidados necessários para praticar esporte corretamente, e a pratica errada pode ser tão prejudicial do que a não pratica.
Parabéns pelo blog,
Valeu!
Vivi disse…
é fabiano, todo mundo tem o seu momento agua com açucar pra descansar a mente e rir um pouco, infelizmente Idas e Vindas do Amor nao tem nada disso, eh impacientemente irritante, filme sem um foco em uma historia central nao me agrada, nao recomendo! heheheheh bjo

frikotes.blogspot.com
Patrícia disse…
Adorei seu blog falando sobre a educação fisica escolar,eu com professora de educação fisica em escola fico muito satisfeita em saber que tem outras pessoas que se preocupa com isso, tirar essa imagem de professor rola bola, e sim além de ajudar na socialização dessas crianças,o esporte leva a criança a conhecer varios valores que vão precisar ao longo de suas vidas!!! Adorei Bí.
Rodrigo Neves disse…
È nem sempre a ed.fisica é valorizada, os alunos mesmo acham apenas q é uma materia a mais , e quando não á comprometimento do professor aê que é so agua e açuca msm.

parabéins pelo blog.
Abraços!
Inovar e propor uma nova concepção de educação física é o caminho para tornar útil esta disciplina nas escolas públicas e escolas privadas do Brasil.
Eu trabalho com 6º e 7º anos e eles chegam pra mim com a concepção que ed física é só futsal e queimada.Eu não trabalho só isso nas minhas aulas..trabalho muita teoria,pesquisa de campo,jogos diferentes,jogos inventados pelos alunos..claro adaptado á idade deles...mas sofro muita pressão deles(alunos) que não se mostram abertos á coisas novas..mas em momento nenhum cedo á essa pressão...e no final tenho 100% de adesão ás minhas aulas..os primiros bimestres são mais difíceis,mas depois eles se adaptam á "nova " ed física.Mas além dos alunos temos diretores "arcaicos" que só querem a educação física para trazer troféus para a escola desses torneios excludentes do qual não tenho a mínima vontade de participar..afinal se o aluno quer ser atleta que vá para a escolinha e não na escola cujo objetivo não é esse..vai muito além...
Fabiano disse…
boa dani. nem preciso dizer que concordo em gênero, número e grau. obrigado pelos comentários!
JULIANA disse…
Olá Fabiano,

Peço permissão para postar este texto em meu blog. Será que há algum problema?

Postagens mais visitadas deste blog

Jump Fit x Power Jump

Sou professor capacitado do Jump Fit desde 2003. Acompanhei durante esses 07 anos todas as transformações e melhorias que foram necessárias para manter o sucesso da modalidade. Nesse meio tempo, outros programas similares também foram criados provocando uma concorrência nesse segmento no mercado do fitness.
Há poucos dias um colega de profissão me convidou para fazer uma aula de Power Jump da empresa Body Systems. Já tinha ouvido falar do programa, mas nunca havia participado de uma aula. Meu contato com o Jump sempre foi com a Fit-Pró, pioneira no Brasil com esse tipo de modalidade.
Basicamente a estrutura das aulas são similares. A diferença está na forma como é realizado o aquecimento, nas pausas entre coreografias e na duração de algumas músicas. Não tive acesso ao material didático da Body Systems, porém conversei com o professor e as considerações feitas pelo mesmo me permitem fazer as minhas a respeito dos programas.
Nas aulas de Jump Fit existe uma música inteira dedicada ao aque…

Programas de qualidade na TV brasileira

A TV aberta no Brasil passa por um momento onde programa de conteúdo é cada vez mais raridade na programação. Devido ao trabalho acompanho vejo TV com mais frequência à noite e eventualmente nos finais de semana, porém prefiro acompanhar a programação dos canais fechados.
Mas como nem tudo está perdido, dou a dica de cinco programas que na minha modesta opinião vale a pena acompanhar:
1 – Profissão Repórter (Globo – 3ª feira): Uma equipe de jovens jornalistas sob o comando de Caco Barcellos, consegue levar coberturas sólidas em diferentes ângulos de uma mesma notícia. Com maestria o veterano jornalista consegue destacar o processo de profissionalização de jovens recém-formados em cada etapa da matéria, aprendendo na prática a elaborar a reportagem, desde a apuração até a edição final.

2 – A Grande Família (Globo – 5ª feira): Com um texto de primeira linha e um grupo de atores do mais alto gabarito o programa retrata de forma engraçada situações rotineiras de uma família de classe média. …

Valentin

Com pais ausentes e um ambiente familiar conturbado, Valentin é um menino imaginativo, cujo maior sonho é ser uma criança comum, com uma família de verdade. Enquanto tenta consertar as falhas em seu mundo, ele será capaz de trazer alegria, sabedoria e até mesmo romance aos adultos que o cercam.
“Valentin” é um dos filmes mais encantadores que assisti. A história nos emociona do início ao fim. Um drama inocente e cheio de esperança que ficou muito bem narrado por uma criança.
Rodrigo Noya, o protagonista, nos cativa pela sua sensibilidade e inteligência, longe de ser uma daquelas crianças prodígio chatas. O menino é um escândalo de tão bom. Valentin pode ser vesgo e usar óculos fundo de garrafa, mas enxerga perfeitamente o ponto fraco da maioria dos adultos que o cercam.
Outro ponto forte é a química entre os atores. Perfeitos dentro dos seus papéis. Destaque para Carmen Maura, como sempre brilhante em tudo que faz. Elenco nota 10.
Cinema argentino, leve, sensível e de excelente qualidade…