Pages

quarta-feira, 31 de março de 2010

BBB 10

Diálogo entre um aluno e eu ontem à noite:

Ele começa:

- Quem você quer que vença o BBB10 de hoje?
- Fernanda!
- Você está votando?
- Não!
- Então não reclame se ela não vencer.
- Tem razão isso vai mudar a minha vida.

O que leva alguém a passar horas em frente ao computador ou gastando o seu dinheiro em ligações para definir o futuro de pessoas que jamais teve contato?

Falta do que fazer? Acredito que como entretenimento o programa cumpre o seu papel. As pessoas ficam vidradas na frente da TV esperando por uma prova de líder. O melhor são as discussões no dia seguinte no trabalho. E quem não vê acaba ficando de fora dos papos no momento do café. O brasileiro tem paixão por TV e com certeza os reality´s são boas opções para quem quer apenas se divertir.

É educativo? Tem conteúdo? Claro que não, então mude de canal, vá assistir Superpop (Affff – rs).

O Dourado ganhou? Bom pra ele. O cara era polêmico e talvez isso o tenha feito vencer. Hoje a minha vida continua na mesma, cumpro meu horário de trabalho, minhas dívidas permanecem e com certeza esse assunto só terá sobrevida até o próximo Domingão do Faustão.

Por isso mesmo não perco o meu precioso tempo votando. Prefiro escrever, estudar, ouvir uma boa música, ou simplesmente assistir TV para dar a famosa espiadinha.

domingo, 28 de março de 2010

Alfie o Sedutor

Para Alfie (Jude Law), a vida se tratava de aproveitar tudo o que todas as mulheres pudessem oferecer – noite após noite. De ricas viúvas loucas por rapazes (Susan Sarandon), até sua namorada, uma jovem mãe solteira (Marisa Tomei), Alfie conseguia tudo... e isso era tudo o que ele mais queria. Mas quando as consequências de sua vida de playboy começam a magoar suas mulheres e seu melhor amigo (Omar Epps), Alfie põe-se a imaginar se existe algo na vida além de romances fugazes. E se existir o que será?

“Alfie o Sedutor” é um filme que todos aqueles que estão se enveredando pelo mundo da sedução deveriam aproveitar, porque o filme não é mais uma comédia hollywoodiana, mas sim um resumo do comportamento de um homem que vive as experiências do mundo da sedução.

Apesar de ser uma refilmagem, trata de um tema atual, que é a superficialidade dos relacionamentos e suas consequências. O roteiro é um tanto vazio, mas a atuação competente de Jude Law (ele mostra no filme que é um dos grandes atores da atualidade) consegue manter o ritmo da película. No início, a narração em 1ª pessoa é cansativa, mas à medida que a história se desenvolve, os diálogos vão ganhando corpo e a trama fica mais interessante. O filme mostra a dificuldade que os seres humanos têm de estreitar as relações. Sendo o protagonista do sexo masculino, o quadro se torna mais complexo, visto que um "garanhão" mostrar fragilidade é muito mais complicado do que uma mulher fazê-lo.

Menção especial a Susan Sarandon que mesmo num papel pequeno mostra porque é uma das grandes atrizes do cinema mundial.

Enfim, vale conferir a boa atuação de Law, a fotografia de encher os olhos e uma trilha sonora brilhante!

quinta-feira, 25 de março de 2010

A Turma da Mônica

Aguardando uma consulta na ante-sala de um médico me deparo com uma revista em quadrinhos da Turma da Mônica. Fazia tempos que não lia as histórias dessa turminha que fez parte da minha infância. Ao terminar bateu uma saudade daquela época.

Normalmente, quando olhamos para o passado, sobretudo para quando éramos crianças, o que nos vem é uma grande nostalgia e temos a tendência de considerar aqueles bons dias. Bom, não sei se todos são assim, mas vejo a minha infância como ótima e divertida.

Saudosismo a parte, é impressionante como as personagens criadas por Maurício de Souza fazem sucesso até hoje. Lembro que cheguei a fazer coleção das revistas desde a época que eram publicadas pela Editora Abril. Como fã, escrevia cartas para a sessão dos comentários dos leitores e ficava na expectativa de serem publicadas. Nunca foram, mas a esperança sempre existia.

Como nós, essa turma cresceu e é possível vê-los numa nova etapa da vida, a adolescência. Ainda não tive a oportunidade de ler essas histórias, mas acredito que os pequenos são insubstituíveis.

Hoje não coleciono os gibis, mas sempre que tenho a possibilidade não hesito em ler as histórias. Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali, Chico Bento, Tina, Rolo, Bidu, Piteco, Horácio e outros tantos são personagens que remetem a um passado inesquecível.

domingo, 21 de março de 2010

Girus Disco Show - Pará de Minas

Este fim de semana fui a Pará de Minas, cidade localizada à aproximadamente 80 km de Belo Horizonte para assistir ao show do Emmerson Nogueira na Girus Disco Show. Sempre ouvi dizer que a estrutura da casa era uma das melhores do Estado e que grandes nomes da música brasileira já passaram por lá.

Em relação ao show, tudo que podia se esperar do cantor. Ele cresce no palco juntamente com suas backing vocals que são um espetáculo a parte. No repertório grandes sucessos internacionais e nacionais como “Mrs.Robinson”, “Sweet Child O´Mine”, “Não quero dinheiro” entre outras.

Mas este post é para comentar sobre a casa. A entrada não condiz com a estrutura interna. São 5 ambiente musicais:

- Girus Show onde rolam os grandes espetáculos;

- Girus Disco um ambiente de música eletrônica;

- Scotch Bar Girus um local que bomba após o show principal;

- Scotch Girus Show onde rola o primeiro show da noite que é um aquecimento para o show principal;

- Scoth Túnel o espaço mais aconchegante que lembra os pubs londrinos, que toca o melhor dos anos 70.

A casa ainda conta com 2 camarotes e uma gigantesca praça de alimentação decorada com vários telões e diversas mesas e cadeiras espalhadas pelo ambiente.

Apesar da distância da capital, vale a pena se organizar num final de semana e visitar a casa. Muita gente bonita e ingresso bem mais acessível do que em BH.

Confira no site as fotos e as próximas atrações.

http://www.girusdiscoshow.com.br/

sexta-feira, 19 de março de 2010

O Sorriso da Monalisa

Sou fã incondicional de Julia Roberts. Há muito tempo queria assistir “O Sorriso da Monalisa”, mas ao final ficou a sensação de que perdi algumas horas do meu dia vendo o filme. Aos que ainda não assistiram a sinopse é a seguinte: Katharine Watson (Julia Roberts) é uma recém-graduada professora que consegue emprego no conceituado colégio Wellesley, para lecionar aulas de História da Arte. Incomodada com o conservadorismo da sociedade e do próprio colégio em que trabalha, Katharine decide lutar contra estas normas e acaba inspirando suas alunas a enfrentarem os desafios da vida.

Logo no início percebe-se uma semelhança com Sociedade dos Poetas Mortos (versão feminina), porém este tem um roteiro meio frouxo. No longa protagonizado por Robin Willians a intenção do professor é abrir a cabeça dos alunos para que tenham sua própria opinião, aqui Julia Roberts tenta a todo momento convencer suas alunas de que o casamento não é um bom negócio.

Com um elenco formado por Julia Roberts, Kisten Dunst (O homem aranha), Julia Stiles (A Identidade Bourne) e Maggie Gyllenhaal (Secretária), o sucesso já estaria garantido. Mesmo assim o filme não exibe nada de especial. O grande defeito é que a cada momento uma das personagens se tornam protagonistas, com isso o filme passa pouquíssimo tempo dentro da sala de aula e o foco acaba sendo dado aos conflitos pessoais de cada aluna.

Vale somente para a reflexão do quanto as mulheres ainda tem que lutar pela tão sonhada revolução feminista. Alguns tabus presentes na década de 50 como a liberdade sexual e o casamento de conveniência são possíveis de serem discutidos nos dias atuais.

O filme não tem nada demais, é só um passatempo. O diretor não soube muito bem fazer os cortes e coisas sem nenhum nexo acabam acontecendo. Relações que parecem muito superficiais acabam provocando grandes reviravoltas na trama, como se tivessem sido importantíssimas.

Superficial seria capaz de ser visto na Sessão da Tarde, portanto existem opções muito melhores do que esta.

segunda-feira, 15 de março de 2010

A-ha em BH

Finalmente chegou o dia. Após sete anos sem tocar no Brasil, o A-ha desembarcou em Belo Horizonte na noite do dia 14 de março para uma apresentação da sua turnê mundial Analogue. Com o Chevrolet Hall lotado, o show sofreu um atraso quase imperceptível de 15 minutos. Quando Morten Harket, Magne Furuholmen e Paul Waaktaar subiram ao palco o público formado na sua maioria por trintões e quarentões foi ao delírio.

Os primeiros 20 minutos foram meio mornos, mas a partir do momento que os grandes sucessos começaram a ser tocados a vibração aumentou.

O que me causou estranheza foi o contato da banda com os fãs. Somente o tecladista Magne Furuholmen interagia com a platéia. Morten com uma afinação e voz impecável pouco falou. Somente no final agradeceu o carinho do povo mineiro.

Apesar do repertório bem construído, em alguns momentos, o show soou um pouco frio, devido ao grande número de baladas em sequência e pouco conhecidas do público em geral.

Enfim, entre mortos e feridos, o A-ha e os fãs saíram no lucro. Depois de praticamente duas horas de apresentação ficou a certeza que a banda mesmo afastada das paradas de sucesso desde os anos 90, tem um público fiel e cativo no Brasil.

Abaixo as minhas músicas favoritas e que a banda tocou brilhantemente.



Stay on these roads



Crying in the rain



Take on me (para finalizar com chave de ouro)


sábado, 13 de março de 2010

Onde estão os profissionais do fitness?

É cada vez mais crescente a proliferação de Universidades privadas no país. Com isso o número de profissionais que são formados semestralmente tende a “inchar” o mercado de trabalho. Isso ocorre em praticamente todas as profissões.

Na Educação Física não é diferente. Nesse sentido cabe ao profissional a busca constante de qualificação para estabelecer-se no mercado de trabalho. Mercado esse que atualmente é abrangente. O professor pode atuar em escolas, clubes esportivos e de lazer, academias de ginástica, indústrias, hospitais, hotéis-fazenda e até mesmo em navios.

Porém o que me causou surpresa recentemente foi a dificuldade de conseguir um professor para me substituir no meu período de férias, principalmente nas aulas coletivas (jump e localizada). Coloquei anúncio em comunidades de Educação Física, divulguei em Universidades, enviei emails para outros profissionais e obtive poucos retornos, todos eles negativos.

A grande maioria dos profissionais que entram no mercado de trabalho opta pela Educação Física Escolar, que no Estado de Minas gira em torno de R$ 700,00 à R$ 800,00 para um cargo completo.

Não é segredo para nenhum profissional que o valor da hora/aula das academias ainda é baixo, principalmente para atuar no salão de musculação. Nas aulas coletivas a remuneração é melhor, mesmo assim a procura é pouca pela demanda existente.

O que me assusta mesmo é a baixa qualificação dos profissionais que buscam uma vaga para trabalhar com aulas coletivas. Acredito que conhecimento técnico e detalhado dos exercícios, carisma, ritmo, capacidade de motivar e se adaptar são essenciais para quem almeja crescer na área de fitness.

O segredo do sucesso está na capacitação constante e na empatia, saber se identificar com cada tipo de aluno e dar tratamento personalizado para todos. É imprescindível criar uma boa relação de confiança, afinal os alunos deixam seus corpos à mercê da direção do profissional.

Portanto, aos que queiram “aventurar-se” nessa área um pequeno recado: ESTUDE! Sempre!

domingo, 7 de março de 2010

Fortaleza!

Uma semana sem postar! Motivo: 7 dias de férias. Fui a Fortaleza. Se você não conhece programe-se, é um roteiro imperdível. Belas praias, povo hospitaleiro, vida noturna agitada, forró, show de humor e um grande parque aquático (Beach Park).

Acho que tudo que eu fosse escrever aqui não seria suficiente para descrever as belezas da cidade, portanto aprecie as fotos abaixo e delicie-se.

Praia do Futuro


Dunas em Cumbucu


Dunas Canoa Quebrada


Praia em Cumbucu


Morro Branco - Falésias



Praia Morro Branco


Praia Canoa Quebrada


Centro Cultural Dragão do Mar


Avenida Beira Mar