Pular para o conteúdo principal

Educação: algo cada vez mais raro

Esse final de semana assisti a peça “Amar é uma comédia” protagonizada por Naila Brizard (um transformista de Belo Horizonte) e Pedro Seixas, ambos participantes de um programa na rádio 98 FM.

A história se passa dentro de um barco na praia de Porto Seguro, onde os personagens discutem a relação conjugal prestes a acabar. A peça não apresenta nada de novo, é uma comédia do tipo pastelão onde o intuito é fazer as pessoas rirem. De positivo, destaco o texto que contém apenas um palavrão (algo raro em peças do gênero) e a atuação de Naila, que carrega a peça nas costas, já que seu parceiro é fraco.

Mas o que me incomodou foi o fato de alguns espectadores conversarem durante o espetáculo. Rir é natural, comentar, tentar puxar papo com os atores durante a peça é algo completamente inadmissível. Infelizmente um mau hábito corriqueiro em cinemas e teatros brasileiros. Em determinado momento foi necessário a intervenção dos atores solicitando que a pessoa em questão calasse a boca. Ao final, durante os agradecimentos Naila e Pedro trataram com humor a situação, sugerindo que a mulher jamais tivesse ido ao teatro.


A falta de educação e respeito com o espaço do outro é algo cada vez mais alarmante. Infelizmente as pessoas não sabem como se comportar em espaços culturais e acham isso normal. Normal como furar filas, jogar lixo no chão, dirigir embriagado. Enquanto isso a gente vai vivendo.

Comentários

Nettow disse…
tem gente que sempre izagera , em certas horas amigo rs
JaCoNa disse…
Concordo. As pessoas fizeram das salas de cinema e teatro um playground.
Algms comentarios são até aceitáveis, mas gritinhos, palavrões, conversa fiada e coisas do gênero são o cumulo do absurdo.
Pobre esponja disse…
Isso é super chato. Rola muito com excursões e tal... é péssimo...
O legal é quando o artista dá um esporro necessário...

abç
Pobre Esponja
Hemmely disse…
concordo tbm .. é uma problemética.
gostei do tema.. mt bom :)
Loverocklive disse…
Primeiramente parabéns pelo novo leiaute do seu blog, e sobre a falta de educação acho que isso é tão natural que tem pessoa que nem liga mais ..o que é uma pena.
Natália disse…
O teatro era diferente, mas agr se misturou. Uma lástima.. educação vem de berço
Macaco PIPI disse…
ngm investi fiiii
Lucas Agra disse…
concordo com tudo q escreveu. infelizmente, a nossa população mal sabe se comportar a rua, quanto mais em uma sala de teatro. é triste, mas é a pura verdade.

muito bom o blog.
Mateus disse…
É triste, mas essas pessoas existem. Pura falta de educação conversar em ambientes culturais, e a pessoa não 'liga o desconfiômetro'.
E a gente acaba passando raiva e não aproveitando o espetáculo por causa de um lixo desses. Desprezível!
Nicelle Almeida disse…
Olá.
Parabéns pelo blog, n o conhecia. Gostei bastante e vou te seguir.
Achei muito legal e cima de tudo, importante o seu post. Tb fico indignada com certas coisas que vejo. A educação é algo raro e para poucos, infelizmente.
Um forte abraço e sucesso na trilha! ;)
Me visita tb? Ficarei muito feliz.
Se gostar, tb me segue.
www.nicellealmeida.blogspot.com
Nanci S. Bizutti disse…
deprimente a falta da minima educação que um ser humano deveria ter.
Vergonha alheia
Kássia Rayane disse…
Adorei o post! É bem isso mesmo, as pessoas estão sem educação pra ir em lugares assim, rir da peça, comentar alguma fala , é normal e tal . Mais falar no celular , tenta puxar papo com os atores , nossa isso acaba com a concentração dos atores e da plateia inteira.. Otimo blog! sucesso =*
william disse…
Nossa é falta de educação e de noção puxar assunto com o ator em pleno andamento da peça. em fim é Brasil né
Garbo disse…
cara, nao se de onde vc fala, mas aqui no rio algumas dessas coisas estao diminuindo, dirigir bebado e´quase fora de cogitacao devido a lei seca sempre atuante, os outros "crimes sociais" variam de acordo com o ambiente...

espero q a sociedade ou pelo menos parte dela se torne mais social e nao individual..
Karla Hack disse…
Tem selo para vc lá no blog!
;D
Daniel Silva disse…
Realmente, o brasileiro precisa aprender muito sobre educação.

E nesse caso nem é questão de classe social, pq pobre não vai tanto assim ao teatro...

já sobre os palavrões, acho divertidíssimo. Nos liberta dos nossos pudores... Da nossa vã moralidade!

http://apenas-daniel.blogspot.com/
kikolibanetto disse…
É, realmente, tem gente que não tem consciência de que lugar pra conversar é em barzinho, não em teatro e cinema.
danilo disse…
A Educação é algo que precisa ser investido, fiz uma entrevista com um político de minha cidade e a educação foi citada vale a pena conferir
http://danilofutebol.blogspot.com/
Caroll disse…
Odeeeio quando o pessoal q nao se interessa pelo filme começa a bater papo na sala de cinema ou simplesmente fica falando ao telefone.
Tem gente que faz de proposito.
Bando de mal educados!


www.bellezapoemesa.blogspot.com
Otimo post! Parabéns pela iniciativa. Tem gente msm q não se toca :B

- Aloooooow! Maaaae eu deixei ah chave em cima da mesa!
- O qqqqqqq?? :B

*fdp voando
caa disse…
adoro ir pro cinema, nem sempre vou pro cinema pra ver filme, acontece outras coisas,mas enfim,pelo menos é a idéia inicial x; SHUIAHS
Aniceto Lopes disse…
Raro, necessario, indispensavel.

Tantos sao os adjetivos que cabem dentro da palavra educação, mas as pessoas infelizmente nao levam a serio e com a Dilma na presidencia a gente vai correr pra trás.

Postagens mais visitadas deste blog

Jump Fit x Power Jump

Sou professor capacitado do Jump Fit desde 2003. Acompanhei durante esses 07 anos todas as transformações e melhorias que foram necessárias para manter o sucesso da modalidade. Nesse meio tempo, outros programas similares também foram criados provocando uma concorrência nesse segmento no mercado do fitness.
Há poucos dias um colega de profissão me convidou para fazer uma aula de Power Jump da empresa Body Systems. Já tinha ouvido falar do programa, mas nunca havia participado de uma aula. Meu contato com o Jump sempre foi com a Fit-Pró, pioneira no Brasil com esse tipo de modalidade.
Basicamente a estrutura das aulas são similares. A diferença está na forma como é realizado o aquecimento, nas pausas entre coreografias e na duração de algumas músicas. Não tive acesso ao material didático da Body Systems, porém conversei com o professor e as considerações feitas pelo mesmo me permitem fazer as minhas a respeito dos programas.
Nas aulas de Jump Fit existe uma música inteira dedicada ao aque…

Programas de qualidade na TV brasileira

A TV aberta no Brasil passa por um momento onde programa de conteúdo é cada vez mais raridade na programação. Devido ao trabalho acompanho vejo TV com mais frequência à noite e eventualmente nos finais de semana, porém prefiro acompanhar a programação dos canais fechados.
Mas como nem tudo está perdido, dou a dica de cinco programas que na minha modesta opinião vale a pena acompanhar:
1 – Profissão Repórter (Globo – 3ª feira): Uma equipe de jovens jornalistas sob o comando de Caco Barcellos, consegue levar coberturas sólidas em diferentes ângulos de uma mesma notícia. Com maestria o veterano jornalista consegue destacar o processo de profissionalização de jovens recém-formados em cada etapa da matéria, aprendendo na prática a elaborar a reportagem, desde a apuração até a edição final.

2 – A Grande Família (Globo – 5ª feira): Com um texto de primeira linha e um grupo de atores do mais alto gabarito o programa retrata de forma engraçada situações rotineiras de uma família de classe média. …

Valentin

Com pais ausentes e um ambiente familiar conturbado, Valentin é um menino imaginativo, cujo maior sonho é ser uma criança comum, com uma família de verdade. Enquanto tenta consertar as falhas em seu mundo, ele será capaz de trazer alegria, sabedoria e até mesmo romance aos adultos que o cercam.
“Valentin” é um dos filmes mais encantadores que assisti. A história nos emociona do início ao fim. Um drama inocente e cheio de esperança que ficou muito bem narrado por uma criança.
Rodrigo Noya, o protagonista, nos cativa pela sua sensibilidade e inteligência, longe de ser uma daquelas crianças prodígio chatas. O menino é um escândalo de tão bom. Valentin pode ser vesgo e usar óculos fundo de garrafa, mas enxerga perfeitamente o ponto fraco da maioria dos adultos que o cercam.
Outro ponto forte é a química entre os atores. Perfeitos dentro dos seus papéis. Destaque para Carmen Maura, como sempre brilhante em tudo que faz. Elenco nota 10.
Cinema argentino, leve, sensível e de excelente qualidade…